Jayme Reis

Jayme Damasceno dos Reis nascido em 1958, em Itabira, Minas Gerais, é um artista plástico singular. Sempre atento ao seu entorno, ele deixa fluir em sua obra elementos do mundo que o cerca.

La Taberna, um bar espanhol, deu inspiração ao início do seu trabalho. Ele passeia por Minas fotografando Igrejas e altares, e começa a trabalhar com entalhes em madeira, fase barroco enlouquecido, dominando a técnica dos formões. Realiza mostra individual pela primeira vez em 1980 na Galeria Mandala, em Belo Horizonte.

Em 1983 produz gravuras na Oficina Goeldi, expondo neste mesmo espaço uma série de linóleogravuras. Em 1985 realiza Mostra Individual no Centro de Cultura Carlos Drumond de Andrade, em Itabira, e no ano seguinte seus trabalhos estão presentes na exposição coletiva de escultores contemporâneos de Minas Gerais, no Museu de Arte da Pampulha, em BH. Em 1987 Jayme Reis é convidado pelo secretário Municipal de Cultura de Itajaí (SC) para participar do Ateliê Aberto de Pesquisa em Arte da Casa de Cultura.

O artista recolhe fragmentos de madeira, resíduos de redes, sucatas navais e outros objetos abandonados por pescadores, e com eles constrói seus objetos. Nesse momento madeiras carcomidas transformam-se em oratórios. Como resultado da oficina realiza Mostra Individual na Casa de Cultura de Itajaí; após exposição é convidado pela artista plástica Elke Hering para dar aulas de escultura em seu ateliê, em Blumenau.
Nessa cidade dá continuidade à pesquisa com materiais encontrados e descobre o azul intenso. ”Essa cor, comenta, apareceu em minhas obras após convívio com o mar”

Em 1993 apresenta pela primeira vez, série de Barcos na Exposição Individual Cais, que realiza no Fernando Pedro escritório de Arte de BH, estendendo para a Itaugaleria, em Goiânia. Em 1992 e 1994 o artista integra as seguintes exposições coletivas: Utopias Contemporâneas, Palácio das Artes (1992) Compartimentos, Uma Arqueologia do futuro, Grande Círculo das Pequenas Coisas, Cinema Ilusão (1993) O Grau da Matéria, realizada na Fundação Cultural Carlos Drumond de Andrade, em Itabira. Uma Arqueologia do Futuro, na Itaugaleria, em Campinas/SP; homenagem a Guinard, na Casa Guinard, em Ouro Preto (1994); Projeto Macunaíma, na Galeria da Funarte, no Rio de Janeiro; Mostra Resumo no Palácio das Artes de BH. Em 1994, Tapete-ramalhete no mercado de diamantina, Minas Gerais. Em 1995 participa da Bienal Nacional de Santos/SP; recebe o primeiro prêmio no 1º Salão de Artes Plásticas da cidade de Uberaba/MG; e, integra as coletivas: Grande Círculo das Pequenas Coisas, na Fundação Cultural Carlos Drumond de Andrade, e Projeto Babel. De 1997 a 1999 integra o Salão Nacional de Curitiba com mostra coletiva. Seus trabalhos integram as Mostras Esculturas Contemporânea Mineira, em Tiradentes.

No trabalho de ateliê, Jayme inventa novas pesquisas, dedica-se a técnica da grattage e da xilogravura.

Tem sua obra comentada nos seguintes livros: O processo de modernização do espaço cultural mineiro, texto de Cristina Ávila BH; Um século de história das artes plásticas em BH, por Marília Andrés Ribeiro e Fernando Pedro da Silva, BH; Som, gesto, forma e cor: dimensões das artes e seu ensino, organizado por Lúcia Gouvêa Pimentel BH.

INDIVIDUAIS:
2012 .Lemos de Sá Galeria – Belo Horizonte
2010 .Epiphania – Galeria Livrobjeto – Belo Horionte
2007. Epiphania – CEMIG – Belo Horizonte
2005. Sarabanda – Museu de arte de Blumenau
2004. Lemos de Sá Galeria – Belo Horizonte
2000.Viagem no Mar de Ferro – Kolam´s Galeria . Belo Horizonte
1999.Repertorio 41 – Museu da Inconfidência – Ouro Preto
1997.Galeria Quadrum – Belo Horizonte
1996.Museu Nacional de Belas Artes. Rio de Janeiro/Galeria FM . Barcelona
1995.Diário – Fernando Pedro Escritório de Arte . Belo Horizonte/Território do Afeto. Fundação Cultural C.D.A. Itabira
1994.Cais – Itaugaleria. Goiania./Versos Atávicos. Sala Arlinda Correia, Palácio das Artes. Belo Horizonte
1993.Cais – Fernando Pedro Escritório de Arte. Belo Horizonte.
1991.Museu de Arte de Santa Catarina. Florianópolis.
1988.Elke Heling Atelier. Blumenau
1985.Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade. Itabira.
1980.Galeria Mandala. Belo Horizonte.

COLETIVAS:
2007.Seleções da Arte Contemporânea Brasileira./Centro Cultural dos Correios – RJ./Casa de Cultura Mario Quintana – Porto Alegre
2002.Vernissage – com Roberto Vieira e Eymard Brandão. J. de Petrópolis – N. Lima /Arte Mineira Contemporânea. Pinacoteca de São Paulo
2001.Erótica 2001 – Quadrum Galeria. Belo Horizonte /VI Concurso de Arte Erótica. Barcelona
2000.Bravas Gentes Brasileiras – Palácio das Artes. Belo Horizonte
1999. Escultura Contemporânea Mineira -.Tiradentes
1998. Harmonia de Contrastes – Kolam’s Galeria. Belo Horizonte e Referência Galeria de Arte. Brasília
1997. Brasilidade – Marina Potrich Galeria de Arte. Goiânia/1 Século da História das artes Plásticas em MG-Palácio das Artes-Belo Horizonte/Painel da A.B.C. A – MAC – São Paulo e MAM de Brasília/Salão Nacional de Curitiba
1996. l Concurso de Arte Erótica – Barcelona Desfets – Galeria Dotze Palma – Vilafranca del Penedés – España
1995. Bienal Nacional de Santos /O Grande Circuito das Pequenas Coisas – Fundação Cultural C. D. A. – Itabira MG
1994. Vestígios das Sombras – ItauGaleria, Campinas/Homenagem a Guignard – Casa Guignard, Ouro Preto./A Arte do Objeto – Museu da Inconfidência, Ouro Preto /Projeto Macunaíma – Rio de Janeiro/Fernando Pedro – Retrospectiva 5 anos” – Museu Mineiro, Belo Horizonte /Resumo 93 – Grande Galeria do Palácio das Artes, Belo Horizonte.
1993. Verbo – Centro Cultural UFMG, Belo Horizonte./O Grau Zero da Matéria – Fundação Cultural CDA, Itabira.
1992. Salão Nacional de Curitiba – PR/Compartimentos -Grande Galeria do Palácio das Artes- Belo Horizonte /Utopias Contemporâneas – Palácio das Artes- Belo Horizonte/Arqueologia do Futuro – Palácio das Artes – Belo Horizonte /O Grande Circuito das Pequenas Coisas -Palácio das Artes, Belo Horizonte
1991. Panorama Catarinense de Volume -MASC- Florianópolis/Salão Nacional de Curitiba
1986. Escultores Contemporâneos de Minas Gerais – Museu de Arte de Belo Horizonte